quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Poesiar

.Num dia assim, chuvoso na cidade do Rio de Janeiro, onde o que me separa de ir para rua é o tempo, para não ficar mais doente, dá uma vontade muito grande de começar a escrever. Mas não escrever qualquer coisa... Escrever poesia! Os versos mais lindos. Que toquem nas almas mais profundas e que expresse o que sentimento de alguns talvez não consiga. É, eu realmente sonho alto e tenho ambição. Porque para isso tudo, falta o dom. Mais conhecido como talento. Dom é só um nome mais divino de talento, pra ficar mais “chic” ou até para que soe melhor. Mas é melhor parar de falar ‘leigamente’ sobre dom e talento. O dicionário saberia falar:

Dom - s. m.,

presente, dádiva; dotes naturais;

fig., mérito, merecimento; privilégio; poder; faculdade; condão, aptidão.

Talento - fig.,

grande inteligência;

aptidão notável; engenho; agudeza de espírito; habilidade; pessoa talentosa.




.Tá, ‘denotativamente’ falando tem diferença. Mas que seja! Pra mim não tem! E continuando de onde parei, esses dois me faltam pra poesia. Assim, digamos que já escrevi algumas, já me arrisquei e foi bom. Muito bom. Mas confesso que guardo ainda medo de tentar. Vergonha também. Poesia é vitrine de sentimentos. Onde se expõem de uma maneira nobre os sentimentos. Então, se quando eu for fazer uma poesia, e eu estiver com vontade de me atirar de um prédio? Vou acabar expondo isso de graça e passarei de louca, depressiva e suicida na cabeça de quem lê. E esse é o problema. Provavelmente os melhores (e nem sempre maiores) poetas que existiram, na minha opinião, são aqueles que expuseram MESMO os sentimentos na hora de “poesiar”. Sem medo e vergonha do que pensariam, de como seriam julgados. Só assim eles alcançaram o que eu não consigo. Ainda. Porque o ano está acabando e não duvide que “poesiar” sem pudores, esteja na minha listinha de metas para o ano que nasce. Pode ser que eu não tenha o dom, ou o talento. Mas é preciso tentar e arriscar, e mesmo que eu não tenha o dom, no meu caso, eu CRIO!



Inspirada por: ♫ Cássia Eller - Por Enquanto/Todo amor que houver nessa vida

2 comentários:

tassiaaa disse...

Chuva também me dá vontade de escrever, mas dessa vez faltam os sentimentos. Só não acho que te falte o dom, até porque se pode falar de sentimentos sem ser em poesia, pode ser até com uma frase :) e conseguir expor melhor o que eu sinto, e o que eu penso também, é uma boa meta de ano novo xD
Beijos Rafa, a sua retrospectiva tá arrepiante, e as músicas que você anda ouvindo são ótimas também xD hauaha

José Rodrigues (JR.) disse...

fazer poesia é mesmo algo especial; como se você se desnudasse em frente aos outros em cada linha, cada palavra escrita e os versos representassem não apenas nossas idéias e visões de mundo, mas sobretudo, nossos sentimentos; nossas fraquesas e nossos sonhos.
quando vc escreve que não tem "dom " para escrever poesias, eu não sei se para escreve-las é preciso dom... mas é uma questão polêmica mesmo. comecei a escreve-las com 15 anos e até hoje não sei se é dom ou esforço, trabalho ou criatividade; talvez isso seja o que menos importa.
achei bacana sua frase "chuva também me dá vontade de escrever, mas dessa vez faltam os sentimentos". acho que os sentimentos estão sempre nos atravessando, nos marcando, nos desestabilizando... e olhar para chuva cair e apenas ver as suas gostas perderem-se nochão parece tão pouco que o sentimento que nos bate, às vezes, é o de fazer alguma coisa com aquele cair, aquelas gotas; não pegar um balde para conte-las ou uma esponja para absorve-las, mas traze-las para junto de si. pelo menos é isso que eu sinto.
deixo o convite de vc visitar o meu blog de poesias e conhecer o meu trabalho, lá vc vai ver o por do sol, a saudade, a vida cotidiana, as guerras, o amor, o silencio, a vida... tudo isso me faz (nos faz) escrever, as vezes poesias outras qualquer coisa parecida. o endereço é:

http://experimentandoversos.blogspot.com

um abraço, jose (JR.)

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin